Desabafando sobre Delirium (Lacuna Coil)

Venho de um relacionamento antigo com Lacuna Coil, lembro que meu primeiro contato foi através de uma revista qualquer, na época do lançamento de In Reverie de 1999. Era um disco com uma capa muito “bonita” com dois seres humanos completamente pintados de DOURADO, pareciam até aqueles sujeitos que ficam na rua imitando um robô… Ou uma estátua viva, que seja. A matéria era meio genérica, mas a revista era daquelas que acompanhavam um CD com a reunião de várias bandas pra divulgação, no meio veio My Wings (do mesmo disco).

In A Reverie - FrontLembro de ter achado do caralho, a vocalista cantava demais, o vocalista acompanhava só fazendo os vocais rasgados e uma voz de fundo bem da safada. O instrumental não era nada extraordinário, mas compunha perfeitamente toda a atmosfera, era uma banda de gótico sem ter toda aquela choradeira e ar pesado de suicídio coletivo, eu não tinha a sensação que a qualquer momento alguém cortaria os pulsos no palco. Logo depois comprei o disco, só por causa dessa música, afinal de contas, era tudo o que eu conhecia da banda. O disco em si pode ser descrito da mesma forma, são músicas simples, riffs facilmente reconhecíveis, bateria bem marcada, os vocais da Cristina Scabbia dispensam comentários. Diferente do que eu conhecia, na época (pra mim) não era tão comum bandas com vocal feminino sem ser de gótico tradicional ou bandas genéricas do Nightwish. Durante um tempo pra mim foi uma das melhores bandas com vocal feminino, e até hoje acho que os discos tinham uma boa fórmula. O que tinha disponível para se escutar eram três discos, o Lacuna Coil de 1998 (EP), In a Reviere de 1999,  Halflife de 2000 (EP) e Unleashed Memories de 2001. A banda em si tinha uma pegada muito mais de Alternativo, em alguns momentos lembra muito o que o The Gathering fazia, fica até a dica pra quem quiser uma banda boa de Alternative Rock.

comalies-largeEm 2002 lançam seu grande hit incontestável, Comalies, foi o que lançou a banda para o mundo. É um disco extremamente agradável de ouvir, com músicas bem radio-friendly, é pesadinho, tem baladinha, tem música rápida, cheios de refrõezinhos e riffs catchy, é o tipo de álbum bom para se apresentar a alguém que não curte metal e te enche o saco dizendo; “Ah mas eu não entendo nada que esses caras tão gritando! Como você consegue ouvir isso?”. O disco subsequente, Karmacode de 2006, também tem bem essa pegada, acho até que é um pouco mais pesado com uns rffis bem new-metal, eles conseguiram através de um som limpo e simples uma identidade própria. A banda sempre teve o mesmo produtor, Waldemar Sorychta, que produziu tudo da banda até 2006, vendo dessa forma o Lacuna Coil até que teve uma carreira bem consistente, até esse momento pelo menos.

O problema pra mim foi que todos os discos subsequentes ficaram meio todos iguais, a sensação de que Cristina Scabbia levava a banda nas costas era bem evidente, nada mais se destacava. Eu sou um cara que enjoa rápido se as músicas não comunicam 100% comigo, no geral escuto qualquer CD 2 ou 3 vezes, mas se haverá uma quarta é outra história. Houve uma inovada ou outra, incorporar elementos de outros estilos, mas ficou meio repetitivo e bem ordinário, nos discos subsequentes são 2 ou 3 músicas que chamam atenção, o resto parece é bem mais do mesmo com formulas bem previsíveis e arranjos simples. E essa é a grande merda, se a banda muda, todo mundo reclama, se a banda grava alguns discos no mesmo formato, todo mundo reclama do mesmo jeito, é a escolha de sempre, fazer um som menos popular e a banda morrer underground ou tentar se encaixar em algo mais vendável. lacunacoilpromo Isso se arrastou até este ano com o lançamento de Delirium, e agora? Disco novo, formação nova, pegada nova e “uniformes” novos, essa é basicamente a forma que esse disco tem sido vendido, bem fidedigna dignasse de passagem.

Não é preciso ser um gênio ou grande conhecedor de música para afirmar que Delirum BOMBOU!! Foi um espetáculo do mundo contemporâneo, chegou em primeiro lugar no chart do Itunes na categoria Metal, terceiro lugar na categoria Rock e os caralhos. Até o momento que escrevi esse post (10 dias depois do lançamento oficial) na categoria Metal ele caiu pra nono (o que ainda é um fato memorável) e em Rock caiu para 99. Fui incapaz de encontrar por quanto tempo ele permaneceu em primeiro lugar, se foram algumas horas, dias ou minutos. Delirium é um dos maiores lançamentos da banda, está sendo super bem falando e chove avaliação positiva, o disco é diferente de tudo o que foi lançado por eles até hoje, é pesado, tem uma pegada de guitarra bem Deathcore/Metalcore, finalmente Andrea Ferro parou de fazer os vocais limpos e passou a fazer o que ele faz relativamente bem, gritar, pena que em compensação Cristina Scabbia em alguns momentos tem uns efeitos na voz e acaba virando só mais uma peça no quebra-cabeça

A males que vem para o bem, esse foi o primeiro disco a contar somente com os vocais e o baixista da formação original, os dois guitarristas e o baterista saem da banda antes de começar as produções (por razões que eu não faço ideia e não fui atrás). Bom, para tampar uns buracos a maior parte das guitarras foram gravadas por Marco Coti Zelati (o baixista, coitado), o mesmo também produziu o disco inteiro. Ou seja, a banda escreveu, compôs e produziu o disco todo, com a saída de metade da banda, o jeito foi inovar. Foram convidados alguns guitarristas para fazer uma participação, os solos são muitos bons, mas acabam parecendo meio perdidos ou muito “out of place”, até porque são os únicos solos no disco inteiro. O disco está tendo uma excelente aceitação, acredito que desde Comalies não conseguiam um feito como esse, um disco com uma roupagem diferente, uma musicalidade nova e um álbum conceitual.
Só nos resta esperar e ver qual vai ser a repercussão com o tempo e como será o próximo disco.

 

Considerações finais?
Se você nunca ouviu Lacuna Coil, vale a pena começar com Unleashed Memories, passar para Comalies e então Delirium.
Se você já conhece Lacuna Coil, mas é apegado demais aos primeiros discos, talvez Delirium não seja o que você espera.
Se você já conhece Lacuna Coil, mas parou de acompanhar a muito tempo, Delirium é o melhor para voltar a ouvir.

Conteúdo relacionado

Comente

%d blogueiros gostam disto: