Desabafando sobre Anthrax

Se você veio só para ler sobre o Worship Music, pegue uma cerveja e vá ao final do post.
Se você ficar pra ler tudo, pegue duas…

Cara, eu tenho uma relação de amor e ódio profunda com Anthrax.
Só para introduzir, a primeira imagem que tive da banda era essa:

Dá pra levar a sério uma porra dessa? Confesso que peguei o bonde andando, o primeiro disco que ouvi foi Attack of the Killer B’s, uma coletânea de lados B que vendeu pra caralho, mas tinha umas músicas muito bizarras como Startin’ Up A Posse, outras maravilhosas como Protest And Survive cover do Discharge, que era mega agressiva, arrastadassa e muito foda, lá no meio tinha uma versão ao vivo de Keep It In The Family que é uma das minhas musicas favoritas até hoje (nessa versão). Sem contar as porras que não faziam sentido como Bring The Noise, aquela famosa colaboração com Public Enemy e I’m The Man que tinha uns riffs de guitarra de Hava Nagila (simplificando, aquela música Judaica que todo mundo conhece) e uma pegada pesada de rap com sei lá quem cantando.

Ou seja, resultado? Fiquei longe de Anthrax durante anos, puro preconceito. Não devo nem ter ouvido a porra do disco inteiro. Resumindo, vocalista Joey Beladonna é demitido, “divergências criativas”, em dado momento John Bush assume os vocais e eu escuto os discos Sounds Of White Noise (1993) e We’ve Come for You All (2003) (corre atrás ai, não tá no Spotify) que tem músicas muito boas, Only até hoje acho do caralho, We’ve Come’ foi um disco que eu ouvi pra demais! Não consigo lembrar dos demais discos dessa fase, mas esses dois eu acho eles realmente me marcaram.

Além de musicalmente serem faixas que me agradam até hoje, eu acho que funcionam muito bem sendo metal com uma levada mais Rock n’ Roll, é bem dosado, os discos são ótimos, você consegue ouvir ele inteiro sem ficar de saco cheio. We’ve Come’ eu acho que é um dos melhores discos do Anthrax, não digo que é o melhor só porque não sou um profundo conhecedor da discografia dos caras, mas pra mim é um dos melhores discos já gravados, os vocais de John Bush casam muito bem com a pegada arrastada de Scott Ian (guitarra), mas isso estava com os dias contados.

Em 2005 começa a putaria; É anunciando uma reunião com Beladonna, eles saem em turnê, não gravam um disco novo, Beladonna sai novamente e Bush faz umas apresentações ao vivo e não volta permanetemente. Isso tudo foi só pra poder chegar onde eu queria. Os vocais de Beladonna nunca foram muito o meu estilo, casam muito bem com os albuns dos anos 80 e começo dos 90, mas definitivamente não é um dos meus vocalistas favoritos, diferente de Bush, que me fez ir atrás de sua antiga banda, Armored Saint, que eu não conhecia até então. Não consigo imaginar os discos de Bush com Beladonna a frente.

Até Beladonna assumir definitivamente (novamente) os vocais, foi um samba do crioulo doido do caralho, entra vocalista, sai vocalista, grava disco, regrava disco… Mas vamos ao que importa, finalmente em 2011 é lançado um disco novo do Anthrax, Worship Music. Marca a volta de Beladonna full-time na banda, formação “clássica” (vai saber o que isso quer dizer) na ativa novamente, quase 10 anos para um lançamento de um álbum novo, mas e ai? É boa essa porra? Sim, é bom!! Pra caralho!!

O disco é muito bom, instrumentalmente não tem o que contestar, Scott Ian e Charlie Benante arrebentam, tem peso, velocidade, os solos são do caralho, o disco é um respiro quando as bandas de Thrash vem se repetindo ano após ano, é um álbum novo com gente que já faz a mesma coisa a 200 anos sem que soe como um “novo lançamento dos anos 80”. A produção foi mega conturbada, não sei o quanto foi mexido e o quanto foi remexido, mudança de vocalista que co-escreveu uma penca de música, o que me transparece é que não foi um disco, digamos assim, pensado para Beladonna cantar.

Esse eu acho que é um dos melhores discos do Anthrax, ainda não superam a era Bush, mas cumpre muito bem o seu papel, ainda abriu os meus ouvidos para uma banda que sempre ignorei. Recentemente teve o lançamento de For All Kings (2016), que segue bem a formula de seu predecessor, mas que pelo menos pra mim já ficou meio enjoativo, refrão se repetindo demais no meio da música, vocais as vezes soam iguais em quase todas as faixas, algumas músicas meio que seguindo a mesma estrutura, instrumentalmente é OK, é Anthrax sendo Anthrax, mas não é um disco que acho que vale a pena para se comprar, tem outras coisas saindo em 2016 que já se destacam bem mais. Muito do que me deixa desconectado desse disco são os vocais, me parece cansado, o resultado final é um bom produto, mas a formula poderia funcionar melhor com um vocalista novo, só não me pergunte quem!

Considerações finais?
Se você nunca ouviu Anthrax, Worship Music é uma boa entrada, é novo e tem um som bem atual.
Se você quiser ouvir dois puta discos, vai em Sounds Of White Noise e We’ve Come for You All

Link: https://open.spotify.com/album/6RI1RRa8hRB8vH7LXy2q7b
URI: spotify:album:6RI1RRa8hRB8vH7LXy2q7b

Conteúdo relacionado

Um comentário em “Desabafando sobre Anthrax

Comente

%d blogueiros gostam disto: