Coisas novas que soam como coisas velhas

Essa frase eu ouvi de um cara se referindo a enxurrada de bandas e artistas recentes, que não apresentam nada de novo, ou quando o fazem… Bem, ninguém faz né?

A verdade é que eu continuo me surpreendendo toda vez que escuto uma música de 60′ ou 70′, e soa tão autentico, tão atual e nem um pouco datado. São técnicas de guitarra e bateria que ainda são usadas até hoje. Sempre que isso acontece enquanto estou em casa, desafio a digníssima; “Adivinha de que ano é isso!?” Ela responde 79, a música é de 65… O equivoco é sempre meu também.

Em dado momento você consegue perceber quando a música saiu da era de ouro com as Big Bands, Jazz e Frank Sinatra com sua voz de veludo, para entrar na loucura Rock n’ Roll de Chuck Berry, Jerry Lee Lewies e Little Richard. De certa forma toda a evolução é bem orgânica, são reações e movimentos que normalmente surgem naturalmente como resposta ao status quo.
Saindo da década de 70 tudo era muito técnico, muito conceitual, o progressivo e o psicodelismo transformaram a música em algo fora do normal. Uma das respostas a isso foi o Punk, uma sonoridade suja, músicos que não sabiam tocar porra nenhum, vocalistas desafinados e músicas totalmente agressivas e politizadas (ou nem tanto).

O problema é que na maioria das vezes, alguém tentar superar qualquer coisa significa tocar mais rápido ou mais pesado, falando de metal obviamente. O que é uma merda, um monte de banda uma igual a outra, as vezes não da nem pra saber o que é o que. Slayer e Metallica no começo dos anos 80 tinham essa rivalidade, mas as duas bandas tinham uma sonoridade autentica, é algo que se tornou relevante em pouco tempo. Slayer, Metallica, Venom e Motörhead na época de seu debut eram algo fora do normal, mas a proposta era dar um passo além ao que já se conhecia. Pessoalmente acredito que são 4 bandas que vieram a definir o Metal (Por favor, eu sei, eu sei, Black Sabbath, Judar Priest e Iron Maiden blá blá blá, mas o texto é meu, escreva o seu)

Como se não bastasse nada de novo surgir a uns bons anos, vejo frequentemente bandas, grupos e artistas que se vendem como “Thrash Metal Oitentista” ou “70′ Rock and Roll”. Cara, sinceramente, qual a necessidade disso? É desculpa pra se fazer uma gravação bosta? Parecendo que a banda inteira gravou de dentro de uma caixas de geladeira?Atualmente nem as bandas daquela época, fazem um som daquela época!

Ocasionalmente encontro algo que realmente soa deliciosamente como uma trilha sonora de um outro tempo. Particularmente gosto quando é algo que me remete aos ’70. A primeira vez que isso aconteceu comigo foi quando comecei a ouvir The Black Crowes, cara, como eu ouvia essa porra. Mas foi muito mesmo!! Shake Your Money Maker de 1990 é um dos melhores debuts já gravados. O disco é excelente, tem música rápida, tem música pra isqueiro – normalmente baladinha me irrita profundamente, mas aqui cabe redondo – She Talks To Angels tem uma letra do caralho. Não é nada revolucionário, mas se destaca bastante. Recentemente tive uma surpresa similar com Scorpion Child.

old-time-stuff-headerExiste um fenômeno que não sei se tem nome, mas que acontece em todo todo grande festival, onde se apresentam 25 nomes da cena metal, a banda mais recente tem sempre no minimo 15 anos .O publico não aceita coisas novas, querem as mesmas formulas conhecidas. Bandas que fazem sucesso as vezes são parecidas demais com coisas de 30, 40 ou 50 anos!! Mas não é de se tirar razão, o publico vai envelhecendo e se agarrando ao terreno conhecido, a novidade não tem graça, não tem peso, não tem alma ou paixão, ou simplesmente não é a mesma coisa.

Já ouvi algumas vezes que o “rock n’ roll morreu”, mas a verdade é que a música vai mudando, ou evoluindo dependendo do seu ponto de vista. E nem sempre pra melhor, obviamente. Pra algumas pessoas o rock n’ roll morreu em 70 com Jimi Hendrix e sua patota, outros que ele foi prostituido por Elvis Presley, tem até um povo que defende que Nirvana foi a última banda “rock n’ roll” a existir. Daqui a 5 anos meu vizinho de porta de 15 anos vai dizer que o rock n’ roll morreu quando NX Zero acabou.

Algumas bandas conseguem resgatar o que já tivemos de bom, mantendo uma essência de modernidade sem perder a atitude de algum momento passado. É difícil identificar, mas tem alguns casos que lembro vagamente. Aqui deveria entrar uma lista, mas pra essa eu realmente vou ter que dar uma garimpada, lembrava de algumas coisas de cabeça que não da mais pra ouvir hoje em dia, essa vai ficar pra depois.

Um comentário em “Coisas novas que soam como coisas velhas

Comente

%d blogueiros gostam disto: