Spotify, mudou a minha vida… Ou nem tanto.

Cara, lembro quando eu baixava música por FTP, em um universo que o Spotify não existia.

Em algum momento da minha vida, não faço ideia como, achei um servidor FTP recheado de delicias, dezenas de milhares de bandas que eu não conhecia, uma lista infinita de músicas para eu me lambuzar como um porco chafurdando na lama. Não era um site, era simplesmente um amontado de arquivos mau organizados no servidor de alguém, evidentemente que antes de baixa-las fiz a compra da licença digital para reprodução.
Foi numa dessas que conheci Chinchila, Nokturnal Mortum, Calenish Circle e mais algumas que não lembro. Me recordo dessas porque as ouvi até meus ouvidos sangrarem, e depois nunca mais.
Nunca me importei com vídeo, eu não era um cara que tinha pilhas de fitas VHS mal gravadas com clipes da MTV. E já na época dos P2P baixar um vídeo era fora de cogitação. Na minha cabeça vídeo era uma merda, era pesado pra baixar, ruim de visualizar, você sempre precisava de 19 codecs diferentes pra ver um vídeo porco, mal gravado e totalmente pixelado. Sem contar que no espaço que eu guardava 10, 15 clipes eu entulhava de mp3 de qualidade duvidosa.

Um pouco antes disso era só na base da fita cacete, ou passava o dia IN-TEI-RO, ouvindo a mesma fita em loop. Lembro de uma vez sair de casa pela manhã e só voltar a noite, foi um dia ouvindo o Fireworks (1998), do Angra. Ainda é um dos meus discos favoritos, só não sei como consegui ouvi por sei lá, 16 horas seguidas. Com uma música gravada pela metade, tendo que virar a fita para ouvir o resto, cortado ainda por cima.

Hoje em dia é o paraíso.
Não faltam opções de streaming, download e afins.

Antigamente quem baixava música legalmente pagando direito autoral, tinha um problema enorme, que era o armazenamento de uma tonelada de arquivos MP3, 320kbps o som ficava ótimo, mas cada álbum podia chegar a pesar 300MB, em compensação em uma qualidade bosta… Bem, ficava uma bosta, né?? Houveram algumas ocasiões em que tive vontade de chorar, quando um DVD arranhava ou o HD inteiro morria, sentia um leve panico por ficar sem trilha sonora durante os dias. O jeito era ripar alguns discos físicos para passar os próximos dias, até conseguir baixar novamente tudo utilizando as licenças pagas com as devidas fatias entregues ao ECAD.

Cara, eu tenho spotify pago, e pra falar a verdade não sei dizer nem a diferença entre conta premium e free, quando comecei a usar fiz umas buscas, achei o que queria e já comecei a pagar. Hoje tenho uma conta família, tenho minhas tranqueiras e Digníssima as dela. Na pratica pra mim não mudou nada, eu já ouvia música o dia inteiro, no geral só mudou o player.

Antigamente, eu e meu irmão emprestado passávamos horas olhando pra tela do computador, enquanto eu mostrava os últimos discos que tinha achado por ai. Ele pegava seu pen drive eu entulhava de coisa, logo depois de pagar os devidos direitos autorais. Depois que mudei de estado essa dinâmica não ia funcionar mais,  hoje eu mando um link pelo whatsapp e ele ouve lá.

O que mudou MESMO é que eu não preciso mais ir atrás das músicas, elas vem até mim. A playlist de recomendações da semana tá sempre off-line do meu celular, sem contar a parte de lançamentos que não faz distinção entre gêneros, o que pra mim é ótimo, metal nunca aparecia em sites ordinários. O último disco do Tony Bennet descobri ao mesmo tempo que peguei os mais novos do Ektomorf e do Dol Ammad. Hoje em dia raramente escuto por muito tempo um mesmo álbum, só se for excepcionalmente bom, no geral os que recomendo pra alguém.

Antigamente eu precisava fazer o scrobble do last.fm pra poder pegar bandas parecidas, ainda faço e algumas vezes ainda entro lá pra dar uma olhada. Mas no geral as similaridades sugeridas pelo spotify acertam mais, pelo menos comigo na lista Discover Weekly. Essa é a unica coisa que sinto falta e motivo por manter até hoje minha conta no last.fm, as estatísticas e armazenamento do histórico do que escuto.

Queria colocar algum widget do last.fm, mas não achei nada no site novo, se no futuro for lançado alguma coisa, eu  coloco aqui.

Um comentário em “Spotify, mudou a minha vida… Ou nem tanto.

Comente

%d blogueiros gostam disto: